Pinturas

Descrição da pintura de Tintoretto “A origem da Via Láctea”


Vemos uma interpretação artística do mito. Júpiter desejava que seu filho fosse imortal. A criança lhe deu uma mulher comum. Para que o bebê vivesse para sempre, era necessário pressioná-lo contra o peito magnífico da deusa Juno. Seu leite milagroso era para dar imortalidade. Juno foi pego de surpresa e involuntariamente recuou. De repente, leite polvilhado em tudo. Como resultado, a famosa Via Láctea apareceu.

A composição desta tela é incrivelmente reverente. É construído sobre um contraste marcante entre a criada, que Júpiter enviou a Juno, e a deusa. Uma criada invade de algum lugar fora do espaço dessa tela. O corpo magnífico de Juno é escrito com amor especial. Ele impressiona com suas formas e cor da pele delicada.

O voo da serva é duro e os movimentos da deusa são incrivelmente suaves. Tal contraste pode encantar qualquer um.

Abaixo de Tintoretto, retratam anjos maravilhosos. Eles possuem vários personagens que demonstram amor. Uma dessas criaturas fofas mantém a rede. Muito provavelmente, este é um símbolo especial de engano, que Júpiter involuntariamente recorre para que seu filho se torne imortal. A águia subindo ao fundo sempre simbolizou poder. Os pavões à direita também não são representados acidentalmente. Eles eram os companheiros constantes de Hera. O carrinho da deusa foi posto em movimento por esses pássaros magníficos.

O tumulto das cores é impressionante. O artista descreve magistralmente a cor da pele. É tão natural que os personagens parecem vivos. Um ponto positivo é o roupão da empregada e os tecidos luxuosos nos quais Juno repousa. Tintoretto aprecia as cores vibrantes. Toda a sua imagem parece estar imbuída do sol. Heróis mitológicos se tornam o mais vivo possível. Nesta criação, o dinamismo é sentido. Parece, apenas um momento, e todos os personagens milagrosamente ganham vida.





Ursos Shishkin


Assista o vídeo: La gloria de la carne PETER PAUL RUBENS (Outubro 2021).